Respeitem Lula!

"A classe pobre é pobre. A classe média é média. A classe alta é mídia". Murílio Leal Antes que algum apressado diga que o título deste texto é plágio do artigo escrito por Ricardo Noblat (...)

A farsa do "Choque de Gestão" de Aécio "Never"

“Veja” abaixo a farsa que foi o famoso “Choque de Gestão” na administração do ex-governador Aécio “Never" (...)

A MAIS TRADICIONAL E IMPORTANTE FACULDADE DE DIREITO DO BRASIL HOMENAGEIA O MINISTRO LEWANDWSKI

"O Ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski recebeu um “voto de solidariedade” da Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo) pela “dedicação, independência e imparcialidade” em sua atuação na corte. (...)

NOVA CLASSE "C"

Tendo em vista a importância do tema, reproduzimos post do sitio "Conversa Afiada" que reproduz trecho da entrevista que Renato Meirelles deu a Kennedy Alencar na RedeTV, que trata da impressionante expansão da classe média brasileira. (...)

terça-feira, 31 de março de 2015

A HIPOCRISIA DA MÍDIA COM A CORRUPÇÃO

Não pairam dúvidas de que o substantivo corrupção foi o mais utilizado na grande imprensa nesses últimos anos. Um dos exemplos são as incontáveis manchetes dos grandes jornais sobre a corrupção contra a Petrobras descoberta na Operação Lava-jato.
        
Por se tratar de uma ação que pode manchar a imagem do governo e considerando um forte álibi para os interesses do capital estrangeiro e da direita conservadora do país, o caso ganhou proporções gigantescas na mídia, só comprado a Ação Penal 470.

A imprensa para se defender da postura partidarizada alega que está contribuindo para o combate à corrupção, pois, apenas informa os fatos à sociedade ou atua por meio do chamado jornalismo investigativo. Dois argumentos, que como veremos a seguir, não se sustentam!

Após o início da Operação Lava-jato veio à tona, por meio das redes sociais, um dos maiores escândalos bancários do mundo: o chamado SwissLeaks. Esse caso se refere à corrupção com a sonegação fiscal e lavagem de dinheiro, alcançando 106 mil correntistas do Banco HSBC na Suíça. O Brasil aparece com mais de cinco mil contas de pessoas físicas e jurídicas envolvendo a bagatela de R$ 19,5 bilhões.

O silêncio da mídia sobre o caso é quase obsequioso, e isso se deve pelo fato de estarem envolvidos barões da mídia, como por exemplo, Octavio Frias de Oliveira, ex-proprietário da Folha de S. Paulo, e Lili Marinho, viúva do jornalista Roberto Marinho, além de políticos, estrelas do showbizz, esportistas, personagens envolvidos no escândalo dos trens do Metrô de São Paulo, dentre outras matizes.

Após, o escândalo do HSBC, foi timidamente, noticiado pela “mídia nativa” a Operação “Zelotes” deflagrada pela PF, cujo objetivo é desarticular organizações criminosas que teriam causado prejuízos de R$ 19 bilhões aos cofres públicos. Esse escândalo diz respeito a crimes de advocacia administrativa, tráfico de influência, corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Estão envolvidos nesse crime, segundo o Procurador aposentado, Jacques Távora Alfonsin, osbancos Bradesco, Santander, Safra, Pactual e Bank Boston, as montadoras Ford e Mitsubishi, além da gigante da alimentação BR Foods, todos por suspeita de negociar ou pagar propina para apagar débitos com a Receita Federal no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf)”.

Além dessas empresas já se sabe, também, que o grupo de comunicação RBS, afilada da Rede Globo, é suspeito de pagar R$ 15 milhões para obter redução de débito fiscal de cerca de R$ 150 milhões. No total, as investigações se concentram sobre débitos da RBS que somam R$ 672 milhões.

Os números desse escândalo são estarrecedores. Segundo o jornalista Elio Gaspari, tramitam no Carf 105 mil processos totalizando R$ 520 milhões em autuações contestadas. A PF já encontrou 70 processos com desfechos suspeitos. Nove extinguiram cobranças na ordem de R$ 6 bilhões. “Se procurarem direito acharão cinco cobranças que valiam R$ 10 bilhões e viraram pó".

O curioso, ou melhor, o corriqueiro na mídia tupiniquim é que os escândalos do HSBC e da Operação Zelotes, infinitamente mais danosos aos cofres públicos do que a Operação Lava-jato foram pouquíssimos divulgados, o que joga por terra o argumento do compromisso da imprensa com o combate à corrupção, e o pior: essa ação partidarizada induz a população a pensar que a corrupção é um mal inerente apenas aos políticos, livrando os demais criminosos do colarinho branco da pecha de corruptos.

Aliás, nesse sentido vale citar o trabalho de Maurício Reggio, Diretor do ICTS, empresa de consultoria, auditoria e serviços em gestão de riscos: “...As pessoas estão acostumadas a pensar a corrupção como algo de fora, dos políticos, das autoridades. Não percebem as próprias atitudes. Com isso, têm um padrão para fora e não para si próprios. Dos 8.712 profissionais de 121 empresas pesquisadas, 82% admitiram aceitar atos antiéticos e 68% hesitam em denunciar casos de corrupção dos quais tomam conhecimento. Talvez muitos deles possam ser encontrados nas ruas, nas redes sociais e nas manifestações contra a corrupção...”. 

É essa escancarada hipocrisia da mídia e da elite branca da Avenida Paulista que está levando parte da sociedade a não acreditar na Política, e, por conseguinte, na democracia, fato que pode ter consequências incalculáveis para o futuro do nosso país enquanto Nação democrática.

terça-feira, 24 de março de 2015

JANOT: A LISTA DE FURNAS É AUTENTICA!

O Brasil acompanha passo a passo a Operação Lava-jato e os desdobramentos dessa investigação que se assemelha em muito com a Ação Penal 470 (mensalão), notadamente, com relação à cobertura midiática e a condução do inquérito. 

Já opinamos, anteriormente, que malgrado, a Operação Lava-Jato ser mais uma prova da autonomia da PF e do MP no combate à corrupção, não se pode negar o viés politico que tomou conta de tal investigação e a clara tentativa de se envolver o PT, a Presidenta Dilma e o ex-presidente Lula.

Aliás, o próprio Advogado Antônio Figueiredo Basto - um tucano declarado - que orienta a delação premiada do doleiro Alberto Yousseff ratifica essa afirmativa da politização dessa Operação. Em entrevista, à Mônica Bergamo, o nobre Causídico deixou transparecer que o alvo dos próximos depoimentos é o ex-presidente Lula, inclusive, dizendo que a Presidenta Dilma “deveria se desvincular imediatamente do PT, porque PT significa atraso e corrupção”.

Como já foi noticiado, o envolvimento de Políticos com foro privilegiado nessa investigação fez com que parte do inquérito fosse desmembrado e entregue ao Dr. Rodrigo Janot, Procurador-Geral da República (PGR), para as devidas investigações e possíveis denúncias contra os envolvidos.

Apresentada a lista de políticos ao PGR, logo veio a público a relação dos envolvidos. Dentre eles figuram nomes do alto escalão da política, como por exemplo, Eduardo Cunha, Presidenta da Câmara dos Deputados e Renan Calheiros, Presidente do Senado, e como sempre a grande surpresa: foi dada como certa a inclusão do Senador Aécio Neves, porém, mesmo sendo citado pelo delator Alberto Yousseff, o “nobre" PGR, retirou Aécio das investigações.

O “curioso” dessa posição do Parquet é que outros envolvidos serão investigados a partir de elementos muito menos robustos do que aqueles contra o Senador Aécio Neves.

O nome do Senador Mineiro aparece envolvido na famosa “Lista de Furnas”. Esse escândalo diz respeito a desvios de recursos financeiros da Empresa de Furnas ao PSDB e PP, por intermédio de Dimas Toledo, um dos Diretores da empresa, indicado por Aécio Neves. O fato foi denunciado, publicamente, pelo Deputado Estadual Rogério Correia (PT/MG). Após a divulgação da citada lista, políticos do PSDB entraram em desespero. Primeiro, tentaram, com o apoio da mídia, desqualificar o fato alegando a falsidade da lista; depois iniciaram uma perseguição a jornalistas que deram publicidade ao caso, e finalmente, ousaram incriminar o Deputado Rogério Correia como falsário. No entanto, nada disso surtiu efeito. O documento foi periciado pela Polícia Federal e se comprovou a sua autenticidade, o que ensejou a denúncia contra Dimas Toledo, por parte da Procuradora da República, Andrea Bayão.

Depois desse fato, eis que surge o vídeo divulgado pelo STF, no qual o doleiro Alberto Yousseff, afirma na Delação Premiada da Operação Lava-jato o possível envolvimento de Aécio Neves na “Lista de Furnas”. Segundo Yousseff, ele ouviu do Deputado Federal José Janene e do presidente da empresa Bauruense, Airton Daré, que Aécio Neves dividiria uma diretoria de Furnas com o PP e que uma irmã dele faria a suposta arrecadação de recursos. O doleiro afirma ainda, que algumas vezes, auxiliou Janene a transportar propinas pagas pela empresa Bauruense por contratos em Furnas. A propina teria sido paga, entre 1996 e 2000 – durante o governo FHC. Yousseff, disse ainda, que Janene arrecadava entre US$ 100 mil e US$ 120 mil mensais, com pagamentos em espécie, em dólares ou reais.

Frente a essa nova denúncia de Yousseff, Parlamentares do PT protocolaram, junto à PGR, Representação em face de Aécio Neves. Segundo o Deputado Rogério Correia a falta de provas alegadas para arquivar as denúncias contra Aécio ganha conexão lógica de causa e efeito se reunidas às declarações de Yousseff e o todo conjunto probatório à denúncia feita pela Procuradora Andréia Baião em 2010.

Assim, e diante de tudo isso, fica claro que há fortes indícios do envolvimento de Aécio Neves nesse escândalo da “Lista de Furnas”. Dessa maneira, o que se espera é que o nobre Procurador-geral da República cumpra o seu dever e instaure a devida investigação contra o Senador Mineiro, caso contrário, ganhará força a tese de que está em curso no país uma institucionalizada ação para criminalizar o PT e o maior líder Político do país, Luiz Inácio Lula da Silva.  

sexta-feira, 20 de março de 2015

JANOT TEM OBRIGAÇÃO DE INVESTIGAR AÉCIO NEVES!

CADÊ O MINISTÉRIO PÚBLICO....CADÊ O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA...CADÊ O DR. JUIZ MORO....ELES SÓ EXISTEM NAS AÇÕES CONTRA O PT....? UMA VERGONHA.....! "VEJA" ESSE VÍDEO...! 


terça-feira, 17 de março de 2015

“IMPÍTIM É MEUZOVO"

O Brasil viveu nos dias 13 e 15 de março uma agitação popular pouco comum no país. As manifestações, malgrado os seus objetivos, comprovam o amadurecimento democrático do Brasil e a solidez de nossas instituições.  Aliás, nesse sentido a Presidenta Dilma afirmou: “Ontem, quando eu vi cidadãos se manifestando pensei: valeu a pena lutar pela liberdade e democracia. Esse país está mais forte que nunca. Muitos da minha geração deram a vida para que o povo pudesse, enfim, ir às ruas para se expressar”.

E realmente a Presidenta está correta! Em apenas dois dias presenciamos duas manifestações muito distintas. Na marcha do dia 13 as Centrais Sindicais e os Movimentos Populares foram às ruas contra o golpe, em defesa da Petrobras e da ampliação das conquistas alcançadas nos Governos Trabalhistas de Lula e Dilma. Já nas manifestações do dia 15 a elite branca, representada pelos empresários, banqueiros e setores reacionários da sociedade, reivindicou o impeachment da Presidenta Dilma, a privatização da Petrobras, e até a volta da ditadura militar. Quanto ao combate à corrupção, não passou de hipocrisia, pois, não se viu, por exemplo, nenhuma faixa ou cartaz contra o sucateamento da SABESP, o grave escândalo do “Trensalão” ou a arruaça do HSBC. 

Ficou evidente que a manifestação do dia 15 teve um peso muito maior e isso ocorreu graças ao gigantesco empenho dos neoudenistas e da “mídia nativa” na repercussão desse ato na Capital paulista, que, aliás, fez lembrar, em muito, a "Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, ocorrida em 1964 que culminou no golpe militar e na deposição do Presidente João Goulart.  

A propósito, até a imprensa internacional constatou o caráter elitizado das manifestações. O jornal Britânico “The Guardian” publicou: “Centenas de milhares de brasileiros predominantemente brancos e de classe média tomaram as ruas ontem para pedir o impeachment da presidente e, alguns, o golpe militar.” O jornal espanhol “El País” estampou que "os protagonistas das marchas pertencem às classes médias mais educadas" e a revista “Forbes” chamou os protestos de “Festival do ódio”.
                
Corroborando essa afirmativa do “branqueamento” das manifestações do dia 15, circula nas redes sociais uma foto panorâmica em Salvador na qual somos desafiados a achar no meio dos protestantes um único cidadão negro, e “veja” que Salvador é o município com maior porcentagem de negros do Brasil. Aliás, as fotos da manifestação de SP publicadas pelos jornais “O Globo” e “Estadão” nos incitam, também, a esse desafio.  

Outro fato que chamou atenção e demonstrou a partidarização midiática foi à manipulação sobre o número de manifestantes. A Folha de São apontou 250 mil pessoas na Avenida Paulista, já o restante da mídia calculou em 1 milhão. A Paulista mede 2.750 metros de comprimento por 45 metros de largura, se realmente compareceram 1 milhão de pessoas, podemos afirmar que havia de 10 a 12 pessoas por metro quadrado, ou seja, um fenômeno!
  
Mas afora esses aspectos da condição social e do número de manifestantes, o que vale registrar neste protesto foi o lamentável desejo de criar uma instabilidade institucional com o impedimento da Presidenta Dilma, e o ódio de classe e o pavor das elites ao Projeto Político do PT.

Realmente, depois dessa manifestação, ficou claro, como bem assinala o jornalista Juca Kfouri que o que vem ocorrendo nada mais é do que a revolta das elites “...contra o incômodo de disputar espaço com esta gente diferenciada que anda frequentando aeroportos, congestionando o trânsito e disputando vagas nas universidades...Surgiu um fenômeno nunca visto antes no Brasil, um ódio coletivo da classe alta, dos ricos, a um partido e a um presidente. Não é preocupação ou medo. É ódio... Nos dois últimos anos da Dilma, a luta de classes voltou com força. Não por parte dos trabalhadores, mas por parte da burguesia insatisfeita. Quando os liberais e os ricos perderam a eleição não aceitaram isso e, antidemocraticamente, continuaram de armas em punho. E de repente, voltávamos ao udenismo e ao golpismo.”

É contra essa postura raivosa e vingativa que temos de lutar. A direita entreguista demonstrou que está unida, organizada e sedenta para retomar o Poder, custe o que custar. Cabe a nós demonstrar que eles podem voltar ao Poder, desde que seja pela via democrática, ou seja, pelo voto, qualquer outra maneira é golpe, e isso nós não aceitaremos. Já com relação ao impedimento da Presidenta Dilma fazemos coro com os internautas: “impítim é meuzovo”!

quinta-feira, 12 de março de 2015

ESSES SÃO OS "COXINHAS" QUE MANIFESTAM CONTRA OS GOVERNOS POPULARES E TRABALHISTA DO BRASIL...!



Reproduzimos abaixo excelente matéria do Portal "Brasil 247", sobre o Swissleaks:


AGITADORA TUCANA CAI NA LISTA DO SWISSLEAKS


247– O caso que denunciou o esquema de evasões do HSBC, na Suíça, inclui entre os brasileiros envolvidos a família de Paulo Celso Mano Moreira da Silva. Ex-diretor do Metrô de São Paulo, ele é acusado de improbidade administrativa pelo Ministério Público do Estado por suspeita de corrupção com a Alstom.
Em 1997, Moreira da Silva abriu uma conta no país helvético e acrescentou duas filhas como beneficiárias da conta: Fernanda Mano de Almeida, 41 anos, e Mariana Mano Moreira da Silva, 38 anos. No período em que o Swissleaks é investigado, ele apresentava um saldo de US$ 3,032 milhões.
A ironia do caso é que Fernanda é uma agitadora das redes sociais, militante tucana. Em fevereiro do ano passado, ela postou uma imagem em seu perfil no qual aparece a seguinte inscrição: “Campanha contra a corrupção no Brasil – Eu tenho vergonha dos políticos brasileiros”. Ela também compartilhou imagens de apoio à candidatura de Aécio Neves à Presidência.
Do Blog do "Fernando Rodrigues"
No quadro a seguir, o resumo das informações bancárias de Henry Hoyer e dos 2 ex-diretores do Metrô de São Paulo (clique na imagem para ampliar):



AÉCIO FEZ "CHOQUE DE GESTÃO" OU DE INDIGESTÃO....?

Reproduzimos abaixo  a excelente matéria do Portal "Brasil 247", sobre a caótica situação financeira  de Minas Gerais:

CHOQUE DE GESTÃO? MINAS APONTA 'HERANÇA MALDITA'

terça-feira, 10 de março de 2015

É DEVER DE TODO BRASILEIRO ASSISTIR ESSE DOCUMENTÁRIO CHAMADO "PRIVATIZAÇÕES: A DISTOPIA DO CAPITAL"

(PARA ASSISTIR CLICAR EM LEIA MAIS)